Não sei por que as pessoas têm o costume de transformar o sexo num tabu. Se formos pensar bem, o sexo é uma arte. Não pode ser visto como um assunto inerente a quatro paredes. Jamais! O sexo é tão bom e tão comum à grande maioria dos animais, que deve ser tratado diariamente, como assunto corriqueiro, daquele que se discute na roda de amigos.

Talvez, se assim fosse, não houvesse esse desrespeito desmedido com essa arte, como vemos hoje.

O sexo é a arte de se entregar totalmente ao outro. A arte de se libertar de todos os seus pudores, medos e vergonhas. A arte de mostrar ao outro o seu corpo, o seu desejo, o seu poder de sedução. Melhor do que tudo, o sexo é arte de ter e dar prazer. Quem não se sente bem tendo prazer ou proporcionando isso a alguém???

Então, devemos nos libertar desses paradigmas sociais que reprimem aquilo que é uma arte. Beijar seu companheiro em público, acariciar suas costas, olhar em seus olhos… Tudo isso faz parte da arte do sexo… Isso é a sedução.

Nessa arte não é só a penetração e o gozo que contam. Tudo que aconteceu antes, durante e o que vier a acontecer, devem ser levados em consideração. Andar de mãos dadas, olhar nos olhos, aquele beijo mais caliente, aquela mão boba, o beijo no pescoço… São todos elementos que constituem as preliminares, essenciais ao sexo.

As preliminares são capítulos à parte, nessa arte tão maravilhosa. Devem ser tratadas com cuidado e carinho. Todo aquele jogo de sedução, os beijos, as carícias, os olhares, o “namoro” antes da penetração, devem ser cuidados como pedras preciosas. Até por que as mulheres possuem um botão de estímulo que só se aciona diante disso. São corpos mais sensíveis ao toque, ao carinho.

Portanto, os homens que quiserem desenvolver bem essa arte, devem envolver suas parceiras em preliminares deliciosamente exploradas. Alisar o corpo feminino, explorar sua nuca, seu pescoço, acariciar e beijar seus seios, acariciar as costas e a barriga, beijar seus pés e subir até suas coxas. Beija-la. Poucos homens sabem, mas o beijo talvez seja a maior preliminar para o sexo. Um beijo bem dado, com prazer e vontade, aciona todo o desejo da mulher. Até que seu corpo se prepara para o ato sexual.

Nesta etapa dessa arte tão maravilhosa, o homem deve atentar-se que o corpo da mulher não é um objeto, um pedaço de carne e que, além de ser um canal de prazer, também merece receber todo prazer que ele tem a oferecer. Uma penetração leve, com carícias, movimentos oscilantes, respeitando os limites dela, tudo isso a fará ter muito prazer. E à mulher, cabe libertar-se de todos os pudores e entregar-se totalmente a seu homem. Entregar-se de corpo e alma. Dar a ele a chance de inebriar-se no seu corpo da forma que ele quer. Até que surge a supremacia do prazer: o gozo.

Na última etapa, deitar-se no peito do seu parceiro, aninhar-se em seu corpo, continuar os carinhos, os beijinhos, além de demonstrar toda a satisfação durante o ato, demonstra o respeito e o amor que você empregou nessa arte tão saborosa.

Diante de tudo isso dá para perceber que o sexo não é um ato imoral, feito para qualquer fim. Está certo e tenho que concordar que, diante da velocidade das informações, muitas coisas foram banalizadas. Mas isso é justamente por que tratamos a arte como tabu. Se passarmos a ensinar aos adolescentes, por exemplo, que o sexo não é um ato imoral, desmedido, mas a arte da entrega, do prazer, do amor, talvez as coisas não tivessem chegado ao ponto que chegaram.

E viva a essa arte tão maravilhosamente deliciosa. E que traga muito prazer!

Fran