É engraçado gostar de alguém. Outro dia parei pra analisar meus sentimentos e como eles se estruturaram ao longo do tempo. Aprendi que a renúncia me faz mais feliz, mas aprendi que o único cárcere do gostar, está na falta de vontade.

talvez eu saiba amar

Porque a gente passa horas juntos, se não em corpo, em alma. Se não ao vivo, por telefone. A gente se irrita e se  enjoa, de até não querer ver mais. Só que a gente quer pra gente. É inevitável.

Aos céticos digo que amem. O desamor é uma prova de fracasso. É possível confiar mesmo quando não se ama, mas é impossível querer dar motivos para que o outro confie em ti quando você já não ama na mesma medida.

E assim laços se desfazem. Dizia Chorão que só o amor constrói pontes indestrutíveis, pois eu já vi pessoas chegarem como terremoto e não sobrou nada.

Nem o amor sabe o que é verdade, Renato Russo estava errado. A quem se ama também se pode enganar, pois amar é ser ingenuo e ter esperança de que existe um mundo perfeito.

Tem até gente que diz amar a vários, pois ‘o amor é livre’. Que eu seja taxado de antiquado, mas o meu amor é prisioneiro.

Uma prisão de nome e sobrenome, que me dá boas gozadas e muito carinho. Aquela rara sensação de estar completo. Mas ainda prisioneiro, descobrir que amar é a única forma de ser livre. Seja amando ele, ela, um ou dois. Só o amor te liberta de si.