Sexo na terceira idade

O mundo é cheio de esteriótipos e de paradigmas, os quais não servem para absolutamente nada, se não for para serem quebrados. E o sexo é cheio desses esteriótipos, os quais fazem com que as pessoas não curtam, de modo honesto, um dos prazeres da vida.

 

Você já deve ter visto ou ouvido algo como “sexo é pecado”, “sexo além da relação 1 homem vs 1 mulher é reprovável”, “sexo na terceira idade não existe”, etc. Mas, também, não tenho dúvidas, já deve ter presenciado, participado ou ouvido algo que desmistificou cada um deles. O crescimento das casas de swing, os tratamentos para os idosos e o questionamento das religiões estão aí para provarem isso.

 

O sexo é algo libertador, que nos faz crescer. Não há como se ter dúvidas disso. Por isso, ele deve ser praticado com entrega, amor, carinho, envolvimento e livre de qualquer insegurança e análise moral.

 

Assim, está ocorrendo com o chamado “pessoal da terceira idade”. Após o advento do viagra e da reposição hormonal, as pessoas que integram esse grupo, parece, estão conseguindo colocar os paradigmas de lado e prolongar a vida sexual.

 

Algo realmente fantástico.

 

Se pararmos para pensar, egoístas que somos, dificilmente pensaríamos e que nossos pais e/ou avós estão por aí, se pegando, cheios de tesão, aproveitando seus momentos mais quentes. Mas, como dito, isso nada mais é do que egoísmo.

 

O sexo não pode ser algo destinado apenas para os adolescentes e os adultos de “tenra” idade. Ele é de todos, pouco importando a idade, o sexo, o “status” social. E assim deve ser, mais democrático possível.

 

Então, que os “idosos” tenham mais sexo e menos botox na vida, pois, é certo, o sexo faz bem para a tes.

 

The tank